Urso polar – parte 5

101 dias_2Depois de 18 semanas Siku já estava com 23 kg. Foi nessa época que eu resolvi escrever para o parque escandinavo perguntando se algum dia ele seria apresentado para a mãe, Ilka.

Naquela época eu não tinha visto todos os vídeos e não estava sabendo que provavelmente a ursa não o reconheceria.

No email de resposta eles me explicaram isso e me disseram que pouco-à-pouco Siku terá oportunidade de ver os outros ursos através da cerca que separa as áreas do parque.

Na resposta também incluíram uma fotografia que me deixou muito contente. Era uma foto do Siku dando um alô para a sua mãe através da cerca.

siku hilser pa sin mor Ilka

Hoje, enquanto eu escrevo essa postagem, eu descobri que a câmera gravou outros dias em que Siku deu um alô para sua mãe.

Eu sei que os especialistas dizem que Ilka não reconheceria Siku, mas dá uma olhada como ela ficou interessada no ursinho. O vídeo fica melhor a partir de 1:32.

Viu como o ursinho ficou com medo? Judiação. Só de pensar que um dia ele será apresentado para os ursos grandes…

Urso polar – parte 3

Dos 40 aos 80 dias de vida Siku já estava ficando grandinho e estava começando a andar e a brincar na neve.

Dá para comparar a diferença de tamanho vendo esse vídeo oficial dos 66 dias de vida.

À partir daí a primavera começou a dar as caras na Dinamarca e Siku recebeu uma área exclusiva, sem contato com os outros ursos polares. Uma webcam que registrava movimento foi instalada e acompanhava Siku dia e noite. Era possível acompanhar a vida do ursinho ao vivo pela internet no site do parque.

 

 

Urso polar – parte 2

Por vários meses eu acompanhei as fotos e vídeos de Siku. Cheguei à conclusão de que ele era a coisinha mais cuti-cuti que eu já tinha visto, e que era uma oportunidade única, poder acompanhar o desenvolvimento dele.

As fotos dos primeiros 40 dias:

A quantidade de vídeos gravados nesses primeiros dias é incrível. Dá para passar um dia inteiro no youtube só vendo os vídeos sobre Siku. Os vídeos que eu gosto mais são:

O vídeo oficial gravado nos 16 dias de vida, explicando que o bichinho já tem 1,7 kg e que é alimentado 10 vezes ao dia e que cada vez ele recebe 40 ml de leite.

Uma entrevista onde o treinador conta que quando descobriram que Ilka não tinha leite, que eles tinham duas opções: ou deixar o ursinho com ela e o bichinho morreria de fome dentro de poucos dias, ou tirar o ursinho dela e tentar amamentá-lo com mamadeira. Ele explica que tentar amamentar um ursinho assim é um desafio, mas que já faz três semanas e Siku aumentou de peso para 2,2 kg. Mas ele diz que não tem sido fácil, pois o bichinho, por exemplo, come às 11 da noite, depois às 2 e meia da manhã e durante esse período ele gosta de fazer bastante barulho para mostrar que está vivo. Coitado do treinador!

Outros vídeos oficiais são: O dos 32 dias de vida que se acha nesse link aqui.

E esse vídeo aqui, dele descansando sobre a mesa também é muito gracinha.

Urso polar – parte 1

52 dias_2Há um ano e meio, mais ou menos na mesma época que o famoso urso Knut morreu na Alemanha, nasceu aqui na Dinamarca um ursinho polar e a história dramática dele rapidamente se espalhou pelo mundo afora.

Siku nasceu no dia 22 de novembro de 2011 no Parque Escandinavo de Vida Selvagem. Siku quer dizer “gelo do mar” no idioma da Groenlândia (e para quem não sabe, a Groenlândia pertence à Dinamarca).

Após o nascimento, durante horas o bichinho chorou e gritou de fome. Os veterinários suspeitavam que a ursa Ilka não estava produzindo leite. Ilka foi tranquilizada e foi constatado que ela realmente não tinha leite e Siku deveria ser encaminhado para cuidados e alimentação de mamadeira.

Naquela época rodou o vídeo completo da webcam que filmava a toca da ursa. Foi muito triste ver como ela, ao sentir que estava ficando insconsciente, tentou esconder e proteger o ursinho – uma coisinha pequetitita comparado com o tamanho dela.

O vídeo abaixo mostra algumas das cenas que descrevi acima. O treinador/veterinário dá uma entrevista e conta que o crescimento do ursinho está indo bem e que a preocupação dele é se no futuro Siku vai conseguir se comportar como um verdadeiro urso polar. O fato dele estar sendo criado pelos treinadores do parque trás influências negativas ao desenvolvimento do animal.

Ele também conta que a ursa Ilka provavelmente não se lembra mais de Siku e que provavelmente o tratará como qualquer outro urso polar, isto que dizer: possivelmente com uma atitude agressiva e poderá machucar Siku. Então, quando Siku estiver maior, ele terá que se ser apresentado aos outros ursos e aprender a se comportar como um deles, e não como um animal doméstico (que é o que ele é no momento). A reportagem da TV2 termina dizendo que um dia Siku vai ficar grandão como os outros ursos, mas que no momento ele é essa coisinha fofa que vemos aqui.

Piada de gerente

Pedido de aumento

O jovem empregado vai à sala do diretor da empresa onde trabalha:
_Senhor diretor, vim aqui para lhe pedir um aumento. E adianto já que há quatro empresas atrás de mim.

Com medo de perder aquele promissor talento, dobra-lhe o salário. As empresas valorizam os funcionários quando eles recebem outras propostas.

_Mas mate-me uma  curiosidade. Pode dizer-me quais são essas quatro empresas?

_Sim, senhor. A da luz, a da água, a do telefone e o meu banco!!!

Piadinha de gerente

EMPREGADO NOVO

O gerente chama o empregado da área de produção, negão, forte, 1,90m de altura, 100kg, recém admitido, e inicia o diálogo:  
_Qual é o seu nome?

_Eduardo
responde o empregado.  
_Olhe,
– explica o gerente –eu não sei em que espelunca você trabalhou antes, mas aqui nós não chamamos as pessoas pelo seu primeiro nome. Isso é  muito familiar e pode levar a perda de autoridade. Eu só chamo meus  funcionários pelo sobrenome: Ribeiro, Matos, Souza… Então saiba que eu sou seu gerente e quero que me chame de Mendonça. Bem, agora quero saber: qual é o seu nome completo?
O empregado responde:    
_Meu nome é Eduardo Paixão.
_Tá certo, Eduardo. Pode ir agora…

Gracinha

A equipe do Vimeo escolheu esse vídeo como um dos melhores. Particularmente eu acho que a escolha não poderia ter sido melhor. O nome é Premier Automne (primeiro outono).

Premier Automne (2013) from Carlos De Carvalho on Vimeo.

Autoria de Carlos de Carvalho. O nome parece até brasileiro, não? Mas a localização indica que é francês. Ele tem outros vídeos bem bacanas no site dele no Vimeo. Vale a pena conferir.

Português meio complicado

A crônica abaixo chegou por e-mail com o seguinte título: Na recepção dum salão de convenções, em Fortaleza (e eu acabo de descobrir que esse não é o título original da crônica).

Achei o texto genial e o postei aqui no blog há alguns dias. Hoje, no entanto, o autor do texto me deixou uma mensagem solicitando que eu cite a devida autoria; e eu o faço com prazer:

Texto de Jansen Viana, de 24/11/2012, publicado no site Recanto das Letras.

Título original da crônica é:

Trocando seis por meia dúzia

– Por favor, gostaria de fazer minha inscrição para o Congresso.
– Pelo seu sotaque vejo que o senhor não é brasileiro. O senhor é de onde?
– Sou de Maputo, Moçambique.
– Da África, né?
– Sim, sim, da África.
– Aqui está cheio de africanos, vindo de toda parte do mundo. O mundo está cheio de   africanos.
– É verdade. Mas se pensar bem, veremos que todos somos africanos, pois a África é o  berço antropológico da humanidade…
– Pronto, tem uma palestra agora na sala meia oito.
– Desculpe, qual sala?
– Meia oito.
– Podes escrever?
– Não sabe o que é meia oito? Sessenta e oito, assim, veja: 68.
– Ah, entendi, meia é seis.
– Isso mesmo, meia é seis. Mas não vá embora, só mais uma informação: A organização do Congresso está cobrando uma pequena taxa para quem quiser ficar com o material: DVD, apostilas, etc., gostaria de encomendar?
– Quanto tenho que pagar?
– Dez reais. Mas estrangeiros e estudantes pagam meia.
– Hmmm! que bom. Ai está: seis reais.
– Não, o senhor paga meia. Só cinco, entende?
– Pago meia? Só cinco? Meia é cinco?
– Isso, meia é cinco.
– Tá bom, meia é cinco.
– Cuidado para não se atrasar, a palestra começa às nove e meia.
– Então já começou há quinze minutos, são nove e vinte.
– Não, ainda faltam dez minutos. Como falei, só começa às nove e meia.
– Pensei que fosse as 9:05, pois meia não é cinco? Você pode escrever aqui a hora que começa?
– Nove e meia, assim, veja: 9:30
– Ah, entendi, meia é trinta.
– Isso, mesmo, nove e trinta. Mais uma coisa senhor, tenho aqui um folder de um hotel que está fazendo um preço especial para os congressistas, o senhor já está hospedado?
– Sim, já estou na casa de um amigo.
– Em que bairro?
– No Trinta Bocas.
– Trinta bocas? Não existe esse bairro em Fortaleza, não seria no Seis Bocas?
– Isso mesmo, no bairro Meia Boca.
– Não é meia boca, é um bairro nobre.
– Então deve ser cinco bocas.
– Não, Seis Bocas, entende, Seis Bocas. Chamam assim porque há um encontro de seis ruas, por isso seis bocas. Entendeu?
– E há quem possa entender?

Piadinha de traição

TRAIÇÃO À  MINEIRA

O  amigo chega pro Carzeduardo e fala:
–  Carzeduardo, sua muié tá te traino co Arcide.
–  Magina!! Ela num trai eu não. Cê tá inganado, sô.
– Carzeduardo! Toda veiz qui ocê sai pra trabaiá, o Arcide vai pra sua casa e prega ferro  nela.
– Duvido! Ele não teria corage…
–  Mais teve! Pode confiri.

Indignado com o que o  amigo diz, o Carzeduardo finge que sai de casa, sesconde dentro do guarda-roupa e fica olhando pela fresta da porta.
Logo vê sua mulher levando o Arcide para dentro do quarto pra começar a sacanage.

Mais tarde, ele encontra com o amigo, que lhe pergunta o que houve.
E então, o Carzeduardo relata cabisbaixo:
– Foi terrive di vê!!!
Ele jogou ela na cama, tirou a brusa…e os peito caiu.
Tirou a carcinha…e a barriga e a bunda dispencaro.
Tirou as meia…e  apariceu aquelas varizaiada toda, as perna tuuudo cabiluda.
E eu dentro do guarda-roupa, cas mãos no rosto, pensava:
‘Ai…qui vergonha que tô do Arcide!!!’

Piadinha de amor

AMÁ-LA ou AMAR-TE?

O marido, ao chegar em casa, no final da noite, diz à mulher que já estava deitada :
– Querida, eu quero amá-la.
A mulher, que estava dormindo, com a voz embolada pelo sono, responde:
– A mala!… ah não sei onde está! mas se não a encontraste, usa a mochila que está no maleiro do quarto de visitas.
– Não é isso querida, hoje vou amar-te.
– Por mim, podes ir a Marte, Júpiter, Saturno ou até à merda, desde que me deixes dormir em paz.

Dináfrica

Uma amiga postou no Facebook a música abaixo. Achei diferente, bacana, bem africana. Quando fui pesquisar, descobri que o cara é dinamarquês!

Mzungu Kichaa. O nome significa homem branco doido e foi o agente do cantor quem escolheu. Seu nome verdadeiro é Espen Sørensen e numa entrevista ele contou que teve dificuldade de aceitar o nome kichaa, que significa doido, mas ele aceitou porque é uma gíria de rua que no fundo significa algo bom.

Nascido na Dinamarca, aos 6 anos de idade mudou com a família para Zâmbia, África, e cresceu como uma verdadeira criança africana. Quando ele chegou na escola ele queria ser como os outros meninos e tirou seus sapatos, porque ninguem usava calçado para ir para a escola.

Aos 15 anos ele se mudou para a Tanzania e depois para o norte da Tanzania, divisa com Kenya, e ele disse que era um privilégio morar na região do Kilimanjaro e estar em contato com a tribo dos Maasai.

A entrevistadora perguntou se durante a sua infância ele foi visitar a Dinamarca. Ele disse que sim, quando tinha 9 anos e que foi uma experiência estranha, pois ele não gostava de usar sapato e não sabia usar garfo e faca por exemplo.

Achei a entrevista bem bacana. Se interessar, o link é: http://youtu.be/-yKjBD9wxXU. Ele conta que com os Maasai ele fez sucesso porque ele pula bem alto e nas cerimônias os Maasai cantam (Osing’olio) e pulam.

A música acima está fazendo o maior sucesso na TV africana. Eu acredito que o idioma é Swahili, já que essa é a língua oficial de vários países como Tanzania, Kenya, Uganda. Mas se vc prestar atenção, tem uma hora que eles falam ‘obrigado’ na música. 🙂

Abaixo uma outra dele que eu também gostei. No vídeo abaixo ele aparece com alguns da tribo Maasai.