Tu-tubarão

Eu estava pesquisando sobre ataques de tubarão na praia de Boa Viagem no Recife e obviamente quando se pesquisa sobre ataque de tubarão, inevitavelmente vem um monte de artigos sobre tubarão-branco – o tipo que causa o maior número de ataques fatais a seres humanos.

Sem querer usei 3 horas lendo reportagens e assistindo a vídeos. Alguns deles bem interessantes, até que esbarrei num programa muito bem feito chamado Invasão do tubarão-branco, feito para o Discovery Channel.

Aqui nesse vídeo, numa área deserta da África do Sul, um tubarão-branco fêmea está na praia tomando sol. Isso mesmo, tomando sol. De acordo com a pesquisadora mais e mais tubarões vêm para perto da praia e ninguém sabe explicar o porquê. (Aqui é uma praia deserta, onde não tem ninguém, então o tubarão não está atrás de um aperitivo)
Ela diz que se está literalmente na praia com o tubarão. A praia ali, o tubarão aqui e se eu estivesse de pé, a altura da água bateria na cintura.

O narrador explica que esses tubarões gostam das águas quentes e do calor do sol e que eles podem até pegar um bronzeado! Tubarões-branco têm que se movimentar o tempo todo em alto mar para manter oxigênio fluindo pelas guelras, mas que em água quente e rasa, a concentração de oxigênio na água é maior, por isso os tubarões não precisam se movimentar tanto e podem respirar com maior facilidade e relaxar.

Reação em cadeia: quando se assiste a um vídeo, isso desencadeia uma reação viciosa e quem consegue deixar de assistir o outro na sequencia?

O narrador começa dizendo que o tubarão está há horas ali na praia e que Chris decide remar junto com o tubarão. (Com um nome desses, a gente tem mais é que apoiar!) Ele diz que aquele remo é bem silencioso e que não vai incomodar, e que se o tubarão realmente quisesse poderia facilmente derrubá-lo da prancha. E continua dizendo que a prancha dele tem em torno de 3,5 metros e como se pode ver pela câmera instalada no alto do mastro, o tubarão tem quase o mesmo tamanho.

Entendi que ali é um dos poucos lugares onde tubarões podem ir para a praia com tranquilidade. Que na maioria dos outros lugares eles são perturbados pela presença humana, com pescaria, poluição e barcos passando em alta velocidade. Então vem a pergunta, por que os tubarões vêm para a praia? (Note que o motivo aqui não é alimentação, já que não tem nada nessa praia.)

O meu xará, Chris, diz que em um momento ficou tão empolgado que quase perdeu o equilíbrio. Disse que o tubarão nadou direto na direção dele e que teria sido interessante se ele tivesse caído na água. (Eu gosto de como ele diz que teria sido interessante. Não teria sido interessante, teria sido uma atração imperdível! – tão imperdível quanto aquela do ano passado quando uma baleia orca no Sea World matou a treinadora na frente da plateia e das câmeras.)

Um último vídeo mostra uma pesquisa no santuário marinho perto de Guadalupe no México, onde dezenas de tubarões-brancos se reunem uma vez ao ano e ninguém sabe explicar isso. Nessa região os tubarões estão bem pertinho das pessoas e não ocorrem ataques, por isso surgiu uma teoria de que os tubarões ignoram a presença humana. Então o narrador diz assim: como a visibilidade da água aqui é tão boa, Chris quer descobrir se isso é verdade mesmo.

Quando se trata de tubarão-branco, sempre se desce no mar dentro de gaiolas, mas meu xará vai na cara e coragem encarar o mergulho fora da jaula. (Esse doido realmente gosta de arriscar o pescoço, fala sério.)

Os paramédicos se prepararam para o pior, e o camera-man instalou espelhos retrovisores no equipamento, já que o tu-tubarão-branco é um traiçoeiro e gosta de fazer emboscada e atacar por trás da vítima.

As palavras de Chris: 20 anos atrás entrar na água com esses bichos seria considerado suicídio. Nesse mergulho tubarões de até 4 metros vieram bem pertinho de mim, nadando a poucos centrímetros de distância. Disse que tubarões-branco no habitat deles não atacam coisas desconhecidas e que hoje nadando com até 4 tubarões juntos ao mesmo tempo, que ele pode ver que esses animais não ficam o tempo inteiro em posição de ataque.

E isso conclui a tia Cris aprensentando o doido Chris.
Eu gostei desses vídeos e espero que vocês também gostem.

Piadinha

Chegou por email e achei boa.

Maria perguntou ao Zé:

-Moooor, o que é leptospirose?

E Zé respondeu na lata:

-Fofa, é uma doença que ataca os usuário de lépitópi.

É transmitida pela urina do mouse.

Comercial

Vi esse comercial da cerveja Carlsberg no Facebook de um conhecido. Achei um barato. Pensei até que esse comercial tivesse sido filmado no Cinemaxx de Copenhague, já que a cervejaria é dinamarquesa e os moços simpáticos no filme se parecem com uns motoqueiros que andam para cima e para baixo aqui na região. Mas depois caiu a ficha. Na introdução do filme diz que só havia 2 assentos vagos. Aqui os assentos são todos numerados. Ninguém fica procurando cadeira, não.

Filmaram essa “pegadinha” lá na Bélgica.

102 minutos

Doente novamente e de molho em casa nesse final de semana, sentei-me confortavelmente em frente ao computador. Estava checando as notícias locais no site da tv dinamarquesa quando vi a chamada para um documentário gratuito de 2 horas de duração sobre o atentado às torres gêmeas nos Estados Unidos em 2001. O filme chama-se ‘102 minutos que mudaram os EUA’. Como não tinha nada melhor para fazer, assisti ao filme todinho.

Pensamentos diversos correm pela minha mente no momento.

Em 2001 eu tinha acabado de chegar na Dinamarca e estava completamente isolada do mundo, já que não falava o idioma local. Lembro-me bem do dia 11 de setembro. Carsten chegou em casa naquele dia dizendo que uma coisa terrível tinha acontecido.

Depois que ele terminou de me contar a história, confesso que não fiquei muito impressionada. Sempre tive no pensamento que os EUA foram responsáveis por milhões de mortes:

  • A guerra do Vietnã – 20 anos de guerra, 58 mil americanos mortos, 335 mil baixas, entre 1 e 2 milhões de vietnamitas mortos.
  • As duas bombas atômicas sobre o japão, deixaram 165 mil mortos em Hiroshima, 80 mil em Nagasaki, e sabe-se lá quantos sofreram com os efeitos radioativos até 50 anos depois dos bombardeios.
  • A segunda invasão no Iraque matou mais de 250 mil civís. Quantos mais morreram na primeira invasão no Iraque?

Matar gente inocente em outros países é fácil, mas ver o seu próprio povo morrendo, aí fica ruim, né? Foi o que pensei.

Quando eu li que somente 3 mil pessoas morreram no atentado do World Trade Center, achei até que foi sorte. Naqueles prédios passam mais de 40 mil pessoas por dia. O número de vítimas poderia ter sido muito maior.

Mas hoje assistindo ao documentário que foi feito usando muitas imagens gravadas por pessoas comuns, e mostrando os exatos 102 minutos que se passaram desde o primeiro impacto até o segundo prédio desabar, fiquei com pena do pessoal. Muito triste.

O que achei triste mesmo foi ver os bombeiros tão desanimados. Eles provavelmente tinham recebido ordens para fazer de conta. Nos filmes a gente vê os bombeiros americanos correndo para serem heróis, mas esse filme dos 102 minutos os mostra andando bem devagar, sem pressa alguma. Coitados. Provavelmente não tinham como ajudar. Não tem como levar mangueiras até o 88° e 102° andares. O pessoal que estava nos andares acima da área de explosão, esses já estavam com a sentença de morte decretada, pois quem estava embaixo não tinha como subir para ajudá-los, e eles mesmos não podiam descer. Alguns telefonavam para o serviço de emergência e ouviam que eles deveriam ficar exatamente onde estavam. Outros tentaram ir para o topo do prédio, numa tentativa de serem resgatados por helicópteros, mas a porta de acesso ao topo estava trancada. E mesmo se eles tivessem conseguido arrombar a porta, a fumaça era tão densa que nenhum helicóptero chegaria ali.

Quando a estrutura do primeiro prédio desabou, morreram 400 pessoas da equipe de resgate que estavam tentanto ajudar a evacuar o prédio. Talvez por isso os bombeiros tivessem recebido ordens para não entrar no outro prédio. Certamente estavam esperando que esse fosse desabar também. E e foi o que aconteceu.

Fiquei chocada quando vi no filme que as torres desabaram. Como eu não tinha acompanhado o fato em 2001, eu imaginava que eles tinham implodido os prédios depois do atentado. Eu não imaginava que a estrutura toda tivesse desabado assim, matando todo mundo e levantando uma poeira tão grande que parecia que a ilha toda tinha sido bombardeada. Foi feia a coisa.

Eu encontrei o filme no youtube com legenda em português, mas não na íntegra. Eles dividiram o filme em 8 partes. A primeira parte começa nesse link aqui. O momento do segundo impacto, com a torre número 2, está logo no começo da parte 2 do filme. E assim vai.

O filme inteiro dá para ver em vários sites, mas sem legenda. (Pelo menos eu não achei com legenda, mas pode ser que você tenha mais sorte.)