23k

Pergunto para uma amiga o que ela vai fazer no sábado, se está a fim de fazer uma caminhada comigo ou tomar um café na cidade.

Ela responde mandando um evento do Facebook – uma trilha de 40 km na beira do rio Mølleå. Quando vi a quilometragem, de cara pensei, não vai rolar. Daí dei uma pesquisada e vi que a trilha passaria por lugares bem bacanas, como lagos, lagoas e bosques, e confesso que fiquei com vontade de participar, mas tava muito na dúvida se seria boa ideia, pois o grupo era de 50 a 60 pessoas – restrição covid na DK no momento é 100 pessoas, mas os números de infecção estão subindo.

Não sei o que me deu, mas sábado acordei cedo e quando vi que o grupo estava se preparando para o encontro aqui perto de casa e tomar o trem juntos, rapidinho preparei uma mochila e fui fazer a tal caminhada. Minha amiga que indicou o evento não foi.

Conheci um bocado de gente. Perdi a conta de quantas nacionalidades participaram.
Conversei com gente da Estônia, Eslováquia, Romênia, Hungria, Chile, Argentina, Espanha, Itália, Holanda, Alemanha, Índia, Suécia e Dinamarca. Mas tinha gente de outros países também. Durante a apresentação eu ouvi Qatar, Vietnã, Filipinas, Colômbia, USA, Turquia e foi aí que eu perdi a conta. Contando comigo do Brasil, quantos países?

No meio do caminho escuto um “E aí, brasileira!”. Tomei um susto. A chilena se aproximou de mim, falando português melhor do que eu. Ela cresceu no Brasil. Morou em Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife… caramba, mulher “viajandeira”.
E olha a coincidência, tinha sido ela, a chilena, que tinha enviado o evento do Facebook para a minha amiga que não participou. Ô mundo que dá voltas.

Pouco depois disso, eu tive que desistir da caminhada, na marca dos 23k. O joelho pediu arrego, e se tem algo que eu respeito, é reclamação de joelho.

Voltar para casa foi uma peregrinação. Lá no meio do nada, linhas de trem paradas para reparos nos trilhos, tive que pegar 3 ônibus e duas linhas de metrô para voltar para casa!

Não me arrependo de ter feito parte dessa trilha. Conheci gente nova, gente interessante, e descobri lugares bacanas para fazer trilha na Dinamarca. Foi bom ver que não preciso o tempo todo caçar avião e me aventurar mundo afora para me divertir.

Ah, durante o trajeto para casa, o ônibus passou na frente de um mural que me lembrou Paranaguá.

Esta entrada foi publicada em Coisas da Dinamarca com as tags , , , . ligação permanente.

4 Responses to 23k

  1. Cabeça Disneyssauro diz:

    40km ooooohhh loco, uns 2km já está bom de mais, hahaha
    deve ser muito bacana fazer essas corridas, não entendi essa restrição de 100 pessoas, to confuso.
    O Nome dessa chilena não era Dora?, imagine, rodou o Brasil, kkkkk
    Agora fiquei intrigado, na ultima imagem no navio está escrito Paraná, hum, sinistro tudo isso hein

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *