Peregrinação

Hoje foi um daqueles dias…

De manhã cedo, me apressei em me arrumar. Tomei uma caneca e meia de chocolate quente, e tomei o banho mais rápido da história da humanidade.

Sai apressada de casa as 7:55 porque sabia que saindo nesse horário só chegaria no escritório 9:10. Ou seja, eu estava atrasada.

Chego na estação, vejo dois trens parados. Um em cada plataforma, mas não via o povo entrando em nenhum trem. Todo mundo estava com uma cara de dúvida, se entreolhando.

No painel da estação dizia: os trens serão substituídos por ônibus hoje.

Acho que esse era o motivo dos pontos de interrogação na cara de todo mundo. Havia dois trens parados mas nenhum ônibus.

Uns minutos mais tarde chegou o tal do ônibus, mas não tinha lugar para todos. Eu dei sorte, no entanto. Consegui entrar nele e me apressei a mandar um torpedo pra minha chefe dizendo que me atrasaria.

Calculei que chegaria meia hora atrasada no escritório, mas como eu gosto de exagerar, acabei escrevendo que eu estava torcendo para chegar lá antes da nossa reunião das dez da manhã. Exagerada!

O motorista informou que o ônibus nos levaria para a segunda parada dali. Eu tenho umas 22 paradas até o meu trabalho. Se ia de busão as duas primeiras e iria de trem o restante, então eu não chegaria tão atrasada assim. Imaginei que estaria lá 9:30.

Durante o percurso até segunda parada, que é uma estação no meio de uma floresta, o cidadão ao meu lado resolve ligar para a companhia de trem, e muito civilizadamente ele diz que a situação é a seguinte:

Vocês só colocaram um ônibus, e não tem lugar para todo mundo. Hoje vocês terão muitos clientes insatisfeitos. Teriam como colocar mais uns ônibus para ajudar aqueles que precisam chegar no seu trabalho?

Quando chegamos na estação da floresta, o trem já estava nos esperando, que alegria! Mas, porém, todavia… Assim que o ônibus abrir a porta para descermos, o trem foi embora. Pode isso?

Desolados, caminhando para a plataforma, vimos no painel que o próximo tem vai para na plataforma do lado de cá. Fomos todos pra lá. O trem chega daqui a 6 minutos. Beleza.

Advinha onde o trem parou? Do outro lado, na outra plataforma, quando todo mundo estava do lado de cá. O maquinista é cego?

Corremos a atravessar a passagem subterrânea para o outro lado da floresta onde o diabo do trem estava parado. Pelo menos esse esperou a gente chegar lá.

Com essas caminhadas no frio, começou a me dar vontade de fazer xixi. Todo aquele nescau de manhã. Aff.

Pensei, tudo bem, eu aguento até chegar no escritório. Daqui a 45 minutos estarei lá.

Uns vinte minutos mais tarde, quando ainda faltavam umas 10 paradas para mim, começou a apertar a vontade de ir ao banheiro, e para ajudar, o maquinista disse que tinha uma fila de trens na nossa frente, que iríamos atrasar.

Ficamos parados uns 15 minutos no meio do nada, e eu não conseguia mais nem pensar direito de tanta vontade de fazer xixi.

Quando esse trem finalmente se mexeu, eu saltei na próxima parada e fui procurar um banheiro. Paguei 5 coroas para usar um banheiro público. Que alívio.

Depois disso foi só pegar outro trem ir seguir meu caminho para o escritório.

Quando a reunião começou as dez horas, eu tinha acabado de chegar na estação e ainda teria uns 12 minutos de caminhada.

Por sorte eu pude acompanhar o início da reunião pelo celular e informei que estava atrasada.

Mais de 2 horas pra chegar no trampo. Que aventura.

Esta entrada foi publicada em Coisas da Dinamarca, Desabafos. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *