Greve

Meu último dia em Monterosso. A previsão do tempo era de bastante chuva, o que era perfeito, pois eu estava louca para passar um dia inteiro no meu quarto de hotel com as pernas pro ar e descansar das longas caminhadas dos dias anteriores.

Onze e meia da manhã recebo um torpedo da companhia de trem, dizendo que o meu trem de Roma para Nápoles no dia seguinte tinha sido cancelado por causa de uma greve nacional de trem.

Meu, não acredito. Tantos dias para fazerem greve, vão fazer isso justamente no dia que eu preciso cruzar o país de norte a sul?

No Google descobri que a greve era porque durante a checagem de passagens, um passageiro sem bilhete aqui em Nápoles bateu no funcionário da companhia de trem. Um absurdo. O acordo era parar tudo das nove da manhã até cinco da tarde.

Corri, descendo o morro de Monterosso até a estação e perguntei o que eles poderiam fazer por mim. Das 3 opções, a melhor seria sair 5 da manhã de Monterosso, usando o trem lento que ia direto até Nápoles. Oito horas de viagem. Aceitei.

No dia seguinte, acordei 4 da manhã e desci o morro na escuridão carregando duas mochilas e usando a luz do celular para me guiar, porque não tinha luz em boa parte da trilha. Desci com muito medo, mas desci. No final das contas deu tudo certo e cheguei em Nápoles bem mais cedo do que eu tinha planejado.

Aliás, o trem passou por Pisa e eu vi por um breve momento a torre inclinada. Um dia eu deveria visitar Pisa!

Mas estou em Nápoles…

Eu achava que Nápoles era uma cidade violenta que não tinha atrativos, mas me enganei. Estou admirada com a arquitetura e os encantos da cidade.

Uma galeria muito parecida com a famosa galeria em Milão

De alguma forma aqui me lembra São Paulo, o bairro da Sé. Muita gente morando na rua, dormindo nos cantos, lavando parabrisas no farol, pedindo esmola.

Hoje eu passei pelo mesmo cara pedindo esmola 3 vezes. A primeira vez nove e pouco da manhã e a última cinco e pouco da tarde. Meu, de pé ali o dia todo. Trabalho árduo pedir esmola.

Mas tenho tentado deixar a mente aberta e ver o lado positivo da cidade. Em frente ao castelo do Ovo (que nome doido para dar para um castelo!) tomei uma caipirinha (ruim, mas tomei).

Castelo do Ovo

Hoje de manhã, meu segundo dia na cidade, depois de um toró que parou literalmente minutos antes deu eu sair de casa, fiz um passeio guiado com um grupo de solteiros e aprendi bastante coisa sobre a história da cidade. Deu vontade até de ficar mais tempo e explorar a cidade melhor, mas amanhã de manhã vou para meu próximo destino na costa Amalfi.

Grupo: na frente a guia napolitana, a loira atrás uma guria americana, tia Cris, e um cara da Austrália.
Esta entrada foi publicada em Viagens com as tags . ligação permanente.

2 Responses to Greve

  1. Seu Madruga diz:

    hahahaha, bateu num funcionário e fizeram greve por causa disso?!
    Se fosse aqui tinham rebocado esse passageiro na paulada (o funcionários e o resto dos passageiros) kkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.