Floquinhos

Olha, faz anos que não neva tanto na Dinamarca. No primeiro dia nevou com vento e minha sacada ficou toda coberta. Veja as fotos no fim desse artigo.

Lembro quando eu vi neve pela primeira vez, em 2001. Eu me apaixonei. Adoro ver tudo coberto de branco. Mas também reconheço os inconvenientes de nevar frequentemente. Fica tudo muito escorregadio, parece sabão. Acidentes, o trânsito fica bem lento, transporte público atrasa bastante, um perigo tomar um escorregão na calçada e se machucar de verdade. Sem falar no perigo de tomar um “banho de neve” quando a neve acumulada nos telhados começa a escorregar. Se você estiver no lugar errado no momento errado, pode ter uma “avalanche” caindo do telhado em cima de você. Na quinta-feira eu escapei de uma dessas por pouco.

O gostoso de neve é quando você está dentro de casa no quentinho observando a neve lá fora pela janela. Ou então, colocar umas roupas térmicas e se aventurar na neve fofa.

Meu caminho

Foi o que fiz na quinta-feira após o trabalho. Duas e pouco da tarde começou a dar pau na internet. Desliguei o computador, coloquei calça e jaqueta térmica, e resolvi caminhar dois terços do caminho do escritório para casa. Por que não? Estava frio, mas sol, sem vento, e eu tinha mais ou menos duas horas até o pôr do sol para atravessar a área de floresta. Ficar no meio da floresta depois do pôr do sol, não seria nada bom. Mas deu tudo certo.

Na área do Flyvestation, onde no verão eu vejo gente fazendo ciclismo, dessa vez eu vi gente fazendo ski nórdico (ski cross-country). Isso é coisa que raramente se vê na Dinamarca, já que aqui tem muito pouca neve normalmente.

Passei por áreas onde a camada de neve estava intacta. É tão bonito. Dá uma vontade de se jogar ali. Então vi umas pegadas e tentei adivinhar de quais animais. As de passarinho era fácil de adivinhar. Mas tinha umas que me deixaram em dúvida. Parecia um animal de tamanho médio, algo maior que um gato, porém eu tinha certeza de que não era pegada de cachorro. Não pensei mais nisso e continuei minha caminhada. Uns dez minutinhos pra frente, vejo uma raposa atravessando a trilha, uns dez metros na minha frente. Claro! Aquilo que vi antes era pegada de raposa!!

Nesse dia estava tudo muito silencioso. Os passarinhos não estavam cantando. Acho que eles estavam muito ocupados em se manter quentinhos. Vi uns patos nadando um riacho que não tinha congelado. Eu queria tirar uma foto, mas eles saíram voando assim que me viram. Medrosos!

Quando cheguei na área do lago, ele estava todo coberto de neve e eu dei graças por conhecer bem aquele caminho, porque não dava para diferenciar onde estava a trilha e onde começava o lago. Um pisão errado ali e você cai na água.

Definitivamente eu deveria andar na neve mais vezes. Voltei pra casa cheia de energia.

Esta entrada foi publicada em Coisas da Dinamarca. ligação permanente.

5 Responses to Floquinhos

  1. Manu diz:

    Que lindo! Que fotos lindas!

    Eu ganhei de amigo secreto o livro Hygge: o segredo dinamarquês para viver bem,
    Fala como os dinamarqueses gostam de criar um ambiente acolhedor, confortável, como são felizes… que nas pesquisas de felicidade os dinamarqueses estão sempre no topo…

    Passeie bastante mesmo, é bom ver a beleza da natureza. Aproveite e sempre tire muitas fotos! 😀

    • Manu diz:

      E foi uma pernada essa caminhada, hahahahaha

    • Cristiane diz:

      Sim, a caminhada pra casa é uma pernada, mas eu gosto. Hoje eu estava pronta para repetir a dose, mas tinha muito trabalho no trampo, não deu pra sair cedo. Com o céu escurecendo 16:30, eu não arrisquei. Mas eu vi a lua cheia linda e bem grande no céu quando saí do supermercado. Melhor que isso, só se tivesse esbarrado no ruivo novamente. Tinha um ruivo quando eu cheguei no caixa, mas não era ele. Decepção. rsrsrs

      Livro Hygge. Interessante. Você já começou a ler?
      Engraçado, hygge é exatamente o que me falta no meu trabalho atual. O povo não fala comigo. É como se eu não existisse. Não tem nada “hyggeligt” no meu trabalho. No meu trabalho anterior era uma maravilha, cheio de hygge, mas ironicamente, meus colegas não eram dinamarqueses, mas suecos, canadenses, holandeses, polacos, espanhóis… Os gringos podem ser mais cheio de hygge que os dina.

      • Manoela Ferreira Rodrigues diz:

        Já terminei de ler, bem gostoso de ler o livro. Mas puxa um saco dos dinamarqueses e me lembrei de você contando algumas histórias e pensei: “hmmmm, não é bemmmm assimmm, rs”
        Mas no livro falava como os dinamarqueses podem ser fechados para novas pessoas nos grupos…

        Coloque uns incensos para afastar as energias negativas, quem sabe o povo suma! 😛
        Já começa o hygge…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *