Eleições 2019

Fui hoje votar pela primeira vez aqui na Dinamarca. Eleições para o parlamento europeu. 🇪🇺 Daqui a 10 dias, vou novamente, para votar para o parlamento dinamarquês. 🇩🇰

O voto não é obrigatório, e apesar de eu não ter nenhuma simpatia por coisas políticas e ter tido dificuldades para encontrar um candidato/um partido pelo qual eu tivesse alguma simpatia, eu quis ir mesmo assim.
Foi uma experiência muito estranha. Eu fiquei um pouco perdida e tive que pedir informação sobre o procedimento.

Antigamente eu não tinha direito de voto, pois não tinha a nacionalidade local (eu podia, no entanto, votar para prefeito, mas jamais para o parlamento dinamarquês, nem para o parlamento europeu).
Porém a dupla nacionalidade chegou para mim em 2016 e finalmente nas eleições desse ano, 2019, eu fui eleitora debutante.
Mas olha a confusão. O fato de eu ser eleitora no Brasil me confundiu demais. Eu e essa minha mania de achar que as coisas funcionam mais ou menos do mesmo jeito nos diferentes lugares. Aqui, no entanto, a coisa é diferente. Bem diferente.

Começa pelo fato que não existe título de eleitor. A prefeitura sabe quem tem direito de voto, e uns dias antes das eleições, manda para o seu endereço um cartão-de-voto, onde diz o seu nome, endereço, data e horário da votação e em qual colégio eleitoral você pode votar.
Cheguei lá, não tinha fila nenhuma. Me disseram que eu poderia escolher qualquer mesário.
Entreguei meu cartão-de-voto e fiquei esperando ele me pedir algum documento, pois assim se faz no Brasil. Bom, não lembro como se faz no Brasil, pra falar a verdade. Morando no exterior, só tenho obrigação de votar para presidente, e eu voto na embaixada do Brasil. O procedimento é mais ou menos assim: pedem o seu documento com foto – eu mostro o passaporte já que minha identidade é de mil novecentos e bolinhas e sempre dizem que minha foto é velha demais 😂 – em seguida um mesário tenta achar meu nome entre outras mil Cristianes. Então ele lê um número lá em voz alta e o segundo mesário confere. Eu assino o papel provando que eu estive mesmo lá, e antes de entrar na cabine, tenho que deixar o celular por ali, pois não é permitido levar o celular na cabine. Correto?Lá na cabine, uma máquina me aguarda, digito o número e pronto.No final do dia, temos o resultado da eleição. Confere?

Como eu disse, entreguei meu cartão-de-voto e fiquei esperando me pedirem documento. Não pediram. Quando o guri perguntou minha data de nascimento, meu cérebro entrou em pane. Quase não consegui responder porque fiquei pensando, não vai pedir um documento com foto? Como você sabe que eu sou realmente eu? Gente, brasileiro é desconfiado demais.
Bom, em seguida a mesária ao lado dele me entregou uma cédula gigante. Sério, o troço tinha uns 15 cm de largura mas quase um metro de comprimento. Eu nunca tinha visto nada igual. Mas os nomes todos estavam lá, de todos os partidos e dos candidatos, escritos em letras garrafais.
Virei para trás e vi umas trocentas cabines de voto.Foi aí que eu entrei em parafuso e tive que me virar novamente para a mocinha e dizer: é minha primeira vez aqui, como eu faço?

Calmamente ela me explicou que eu entraria numa das cabines (havia umas dez, acho), e lá dentro teria uma caneta. Eu poderia marcar um X ou no partido ou no candidato da minha preferência. Depois eu tinha que dobrar o papel e sair pelo outro lado da cabine, e depositar o papel na urna.
Agradeci e fui contente votar.Entrei na cabine com telefone, fone de ouvido e tudo. Nenhum problema.
Demorei uma eternidade na cabine tentando achar o nome da pessoa na qual eu votaria, pois eu não lembrava nem seu partido de afiliação nem seu sobrenome. Mas isso é normal. Eu nunca lembro o nome de ninguém. Nem do meu.
Estava quase me dando por vencida, quando achei o bendito nome. Marquei meu X. Gente, aquela caneta tinha tinta vermelha. Imaginei que seria tinta azul.Dobrei o papel e saí pelo outro lado, como instruída.
Havia umas seis ou sete urnas. Soquei meu papel quilométrico num delas e fui embora contente.

Fiz minha parte como cidadã européia, e o fiz por livre e espontânea vontade.
Eu adoraria que o Brasil, um dia, também tivesse esse nível de confiança no seu povo, e que o voto fosse um direito.

This entry was posted in Coisas da Dinamarca. Bookmark the permalink.

2 Responses to Eleições 2019

  1. Cabeça Disneyssauro says:

    Já está escolhendo Parlamentar, hehehe, tinha que ter feito um vídeo explicando como funciona o sistema de votação, água e esgoto da dinamarca, hehehe, o que conta de bom? muito forró por esses lados, esses dias vi um vídeo muito engraçado de forró, pensei em te mandar, mas lembrei que vc não curte muito os vídeos que mando, hehehe
    quando está programada a próxima férias?
    se cuida

  2. Cristiane says:

    Tenho feito coisa boa, mas é um investimento em mim e no futuro. Voltei a estudar. 🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *