Bornholm

No fim de junho eu fui espairecer e explorar a ilha de Bornholm. Dei uma sorte danada no meu airbnb. Eu achava que tinha alugado só um quartinho, mas o “quartinho” tinha dois andares e uma sala bem aconchegante no andar de cima, onde eu passava as noites e dias de chuva me esbaldando em NetFlix.

Dei a maior sorte nos primeiros dias. Fez muito sol e um calorão para minhas caminhadas. As praias daqui são um pouco como as praias do Espírito Santo. Algas espalhadas na areia, uma fedentina de alga apodrecendo, várias moscas nas algas. Água gelada e tem que olhar bem onde vai entrar na água, porque tem alga pra todo lado.

Uma coisa que me chamou a atenção, foi que vi patos e cisne no mar. Eu nunca tinha visto antes. Tinha visto cisne e pato em lago e lagoa, mas na praia, essa foi a primeira vez.

3 cines no mar

Em Bornholm foi a segunda vez que cheguei bem pertinho da cobra preta que tem por aqui. Só que dessa vez, a cobra estava morta no meio da trilha. A primeira vez que eu me deparei com uma cobra na Dinamarca, foi aqui perto de casa, a cobra estava viva e eu quase pisei nela!

Outra coisa que achei super legal, foi que nas trilhas havia cabaninhas ou abrigos onde as pessoas podem trazer seu saco de dormir e fazer seu acampamento ali mesmo, e não custa nada. Se não estiver ocupado, é só se aconchegar.

Não dá para ver na imagem, mas essa cabaninha fica na beira da praia.

Mas nem todos os dias de viagem foram lindos e ensolarados. No meu último dia, fui visitar as ruínas do castelo Hammerhus. Havia um nevoeiro tão denso, que não dava para ver nada. Mesmo assim tentei aproveitar ao máximo. A única coisa que não tive coragem de fazer foi descer pela tirolesa. A descida acabava dentro do lago gelado e estava o maior frio. Eu não tive coragem porque fiquei com medo de passar frio. Vai ficar para uma outra oportunidade.

Como a maioria das minhas viagens, não faltou ver gente vestida de noiva. Havia uma igrejinha no meio de uma trilha e me espantei quando percebi que havia um casamento sendo realizado ali, com padre (ou pastor) e tudo. Esse povo teve que se embrenhar na trilha por vários quilômetros, de vestido de noiva e tudo, para chegar naquele local. Cada doido. Tanto lugar mais fácil para se casar. Por que escolher o mais difícil?

Esta entrada foi publicada em Coisas da Dinamarca, Viagens com as tags , , . ligação permanente.

3 Responses to Bornholm

  1. Seu Madruga diz:

    O lugar é muito bonito mesmo, gostei do apertamento.
    Acho coisa de gente doida ficar dormindo por aí, (abrigo para campistas), ooohh loco.
    Gostei das fotos, uhuuuu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *