Rainha 8.0

Sabe, quando eu me mudei para a Dinamarca, eu tinha essa concepção de que família real é uma bobagem enorme, um gasto de dinheiro público sem fundamento – especialmente quando se pensa que é o parlamento que rege o país e não – no caso da DK – a rainha.

Acho que eu era influenciada pelas histórias que se ouve da Inglaterra; dos dramas da vida da realeza, que o povo segue como se fosse uma novela.

Porém, os anos passados aqui me fizeram ver como as coisas podem ser diferentes daquilo que eu preconcebia.

A família real na Dinamarca trabalha muito, mantendo as relações diplomáticas e mostrando aos cidadãos o quanto a sociedade é importante. Por exemplo, o príncipe estudou em escola pública (o filho dele também) e prestou serviço militar junto com todo mundo.

Nos dias que a rainha condecora súditos com uma medalha, que pode ser por exemplo:

  • por serviços prestados ao reino por mais 40 anos [tempo de trabalho público], como aconteceu om o meu ex-sogro;
  • por prestar um serviço especial ao reino, como o que aconteceu com o Jacob – companheiro da minha amiga – que recebeu a medalha pela sua pesquisa no campo da agricultura orgânica. Ele desenvolveu uma técnica revolucionária de cultivo para minimizar naturalmente o crescimento de ervas daninhas (eu traduzi uma crônica que ele escreveu sobre essa experiência de receber uma medalha e publiquei aqui no blog)

a rainha trabalha desde cedinho até tarde da noite. E eu imagino que ela trabalha nesse ritmo a maioria dos dias. Ela não tem o direito de se aposentar como nós.

Mas o que eu quero compartilhar com vocês é a notícia que li hoje.

Esse ano ela comemora 80 anos de vida, e pela primeira vez, ela vai responder perguntas da população.

Todos estão convidados a enviar uma pergunta para a DR, a rádio dinamarquesa. As melhores perguntas serão selecionadas e a rainha vai respondê-las. Todos os tipos de perguntas são bem-vindas: uma curiosidade que você tenha, alguma pergunta surpreendente.

Eu achei a ideia genial. Imagino que pelo menos uma das perguntas selecionadas será de alguma criança. Na Dinamarca tem muito disso, de estimular as crianças a pensar por si mesmas, e não terem medo de expressar suas ideias. Ainda lembro daquela cartinha que a Primeira Ministra dinamarquesa, na época, recebeu de uma criança de 5 anos perguntando se podia comer sobremesa nas segundas-feiras. Eu escrevi sobre isso aqui no blog.

Bom, o fato é que, vou colocar a cachola para funcionar. Se alguma ideia revolucionária me passar pela cabeça, escreverei uma pergunta para a rainha. Por que não? Afinal, em função da dedicação e seriedade do trabalho dela, ela ganhou meu mais sincero respeito. Talvez eu escreva só para dizer isso.

Esta entrada foi publicada em Família real. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *