Buquê

Recebi uma bela surpresa hoje. Bateram na minha porta, olhei pelo olho mágico e não vi ninguém lá fora. Achei que eram moleques batendo na minha porta e saindo correndo. Então meu olho notou de relance que havia algo embalado em papel marrom.

Abri a porta e tinha um buquê de flores encostado na parede ao lado da minha porta. Primeiro achei que era engano, mas aí vi meu nome no cartão.

A última vez que recebi flores de surpresa foi em abril do ano passado. Uma colega de trabalho me mandou tulipas quando ela ouviu que eu estava muito triste porque uma pessoa da minha família, da minha idade, tinha morrido. Aquele buquê foi uma surpresa linda e me comoveu.

Normalmente eu não gosto de receber flores. Eu prefiro apreciar flores num jardim. Acho um desperdício cortar flores para vasos.

Outro buquê que gostei e que me pegou de surpresa foi um que recebi uns 4 anos atrás, quando me pediram para dar um treinamento para um outro departamento. Naquele dia nada funcionava. Lembro que meu computador não queria se conectar com a intranet, eu não tinha como abrir minha apresentação, tudo travou, meus PDFs não queriam abrir. Eu tive que improvisar muito naquele dia e achei que aquilo tinha afetado a qualidade do treinamento. Saí da sala de reuniões me sentindo derrotada. Mas olha como a vida é uma caixinha de surpresas. No dia seguinte, entrei no meu escritório e tinha um lindo buquê de flores me esperando, com um cartão da gerência do outro departamento, me agradecendo pelo treinamento. Que simpático!

Aquilo me animou, mas achei meio irônico ganhar um buquê por algo que foi um trabalho mal feito – não foi minha culpa, mesmo assim, o treinamento ficou a desejar, pelo menos na minha opinião. Eu devo ter comentado desse dia aqui no blog, não?

Enfim… olha a ironia: hoje eu ganhei um buquê como agradecimento pela minha colaboração durante a inspeção da vigilância sanitária dinamarquesa, que nos inspecionou nas últimas duas semanas. Eu ouvi dizer que foi uma das inspeções mais difíceis que já tivemos, mas ironicamente, não teve nenhuma pergunta para mim. A minha única colaboração foi alertar minha chefe e colega que nós tínhamos que preparar uma apresentação para as autoridades, porque eles queriam saber como é o procedimento para escrever os relatórios de ensaios clínicos. Essa foi minha colaboração e por isso eu ganhei um buquê.

Agora, o mais irônico foi que, ano passado, eu passei tanto por auditoria quanto por inspeção da vigilância sanitária do Reino Unido e eu trabalhei feito louca nessas nessas duas atividades. Você acha que eu ganhei buquê de flores pela minha colaboração (que foi enorme!) nessas duas atividades?

Aparentemente só ganho flores ou quando não faço nada ou quando faço mal feito.

Esta entrada foi publicada em Coisas da Dinamarca, Desabafos. ligação permanente.

4 Responses to Buquê

  1. Seu cabeça de Vermes diz:

    Parabéns, e eu aqui pensando que era algum calango conquistador, hehehe
    funcionárias exemplar, mas é bom quando as pessoas te tratam com respeito e reconhecem os esforços, ruim seria receber críticas.
    Ainda sigo trabalhando em casa, hum

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *