Cão assassino suicida

Atravessei metade da cidade debaixo de chuva, numa bicicleta alugada, para encontrar um antigo colega, jantar e bater um papo.

Com a pança cheia e a alma leve depois de boas piadas e novidades interessantes, voltei para casa na mesma bike, sob chuva torrencial.

Faltando uma quadra antes de chegar em casa, e sentindo bastante frio nos dedinhos da mão, comecei a ficar cansada.

Foi quando vi uma garota saindo de um edifício com dois cachorrinhos. Eu cheguei até a pensar: coisinhas fofas.

Minha mente estava ainda dizendo: coisinha fofinha cuti-cuti, quando uma dessas “fofurinhas” começa a latir e rosnar e pula na frente da minha bicicleta – ele estava numa daquelas coleiras que a corda estica.

Eu tentei frear, mas com a chuva, o freio falhou. Não sei se foi porque meus dedos estavam duros de frio.

Para não passar por cima do pescoço do cachorro, eu desviei, parando logo em seguida, bloqueando a ciclovia toda. Atrás de mim vinha uma motoneta, tipo aquelas vespas. Por sorte o motoqueiro conseguiu frear, ou a coisa não teria tido um final feliz.

A guria me olhou, pediu desculpa, me deu as costas e saiu andando na direção oposta como se nada tivesse acontecido, e me deixou ali parada boquiaberta. Porque meu cérebro ainda estava tentando entender o que tinha acabado de acontecer.

Olha, eu adoro cachorro. Tanto que aceitei cuidar de um por dez dias, e ele vem pro meu apartamento semana que vem. Eu me sentiria muito, mas muito entristecida se eu tivesse machucado aquele cachorro. Mas também teria ficado muito irada que a motoneta tivesse me atropelado porque eu tive que desviar de um cachorro que invadiu a ciclovia.

Eu tenho uma raiva particular de dois tipos de donos de cachorros: aqueles que arrastam seus bichos e os maltratam, e aqueles que vão passear com o cão mas não dão atenção para o animal – ou só olham para cima ou só olham para seus celulares e se esquecem que o bichinho deles sempre tenta trocar olhar com seu dono para manter a conexão.

Ainda bem que o episódio de hoje não passou de um susto. Estarei mais atenta numa próxima vez.

This entry was posted in Cá entre nós. Bookmark the permalink.

2 Responses to Cão assassino suicida

  1. Cabeça Disneyssauro says:

    Ahh não pensava duas vezes, jogava a bike na dona dos cuti cutis, hehehe, aqui os cachorros esperam o sinal ficar verde, hehehehehe.
    Mas só vc pra se encontrar com um amigo de baixo de chuva, eu já teria cancelado, feito um achocolatado bem quentinho, um pão sírio com uns trecos dentro, netflix, cobertor.
    Bike+ Alugar (ALUGAR, vc disse ALUGAR??) + Chuva + Torrencial = nem ferrando ia, hehehehe, isso sim é gostar de papear, hehe

  2. Cris says:

    Menino, eu fiquei muito tempo sem conversar com ninguém. Ia pro trabalho, sento sozinha no escritório. Chego em casa, não tem ninguém com quem conversar. Quando tem alguém que quer conversar comigo, eu vou, pode estar caindo o dilúvio! hahahaha

    Se bem que essa ideia de achocolatad, Netflix e cobertor é boa. Eu faço dessas nas sextas de noite. E eu ainda uso NetFlix de graça, usando a assinatura do ex marido hahahha

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *